Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2016

29.04.2016, a fauna dos ginásios #3

E cá estou eu de volta, com mais um espécime para juntar à lista.
Só para recapitular, já temos: - Miúdas maquilhadas - Homens triângulo invertido - Popozudas assanhadas
E eis que agora vos apresento os fortalhões parideiros.
Estas criaturas gostam de lhe dar forte na carga. Quanto mais peso, melhor. "É para turbinar!". Depois, é vê-los roxos com as veias quase a explodir na testa, deixando-nos sujeitos a um banho de sangue caso tal aconteça (às vezes tenho uma imaginação um bocadinho macabra, eu sei). Cada puxadela que dão é cada gemido que sai. Das primeiras vezes que me cruzei com exemplares desta espécie cheguei a questionar se estaria num ginásio ou numa casa de alterne. É um bocadinho desconfortável... Uma pessoa fica sem jeito, a fazer exercícios no meio de tanto gemido. Controlem lá esses sons, vá.

28.04.2016, não custa nada

Havia algo que já não fazia há uns anos, por pura procrastinação: doar sangue. Vai-se adiando e adiando e, quando nos apercebemos, já se passaram anos desde a última vez. Como hoje o Instituto Português do Sangue e da Transplantação veio até à empresa para uma campanha de colheita, aproveitei para colocar isto em dia.
Conheço várias pessoas que nunca doaram sangue por medo, outras por pura ignorância (pensam que o sangue que doam lhes vai fazer falta, como se o nosso organismo não tratasse de o repor)... E depois temos aquelas pessoas que gostavam de doar, mas não podem.
Se nunca doaram sangue, informem-se dos locais onde o podem fazer na zona de residência e experimentem. Vão ver que não custa nada! E estão a ajudar alguém que precisa :)
No site do IPST têm toda a informação sobre o assunto, caso tenham dúvidas. Têm aqui alguma informação básica para potenciais dadores de sangue e aqui têm mais algumas respostas a perguntas frequentes sobre o assunto. Se estiverem interessados, tamb…

27.04.2016, às vezes gosto de ser do contra

Vi toda a primeira temporada de Game of Thrones, quando ainda só meia dúzia de gatos é que seguiam a série. Acabava de ver um episódio e ansiava para que a semana passasse rápido, para que saísse um novo episódio. Entretanto, terminou a primeira temporada e seguiram-se 10 meses de espera para que iniciasse a segunda temporada. Nestes 10 meses, parece que meio mundo descobriu a série e a partir daí foi todo um fanatismo sempre a crescer. Quando a segunda temporada começou, eu perdi a vontade de ver. Cansei-me de ver tudo a falar do mesmo, ainda antes de sair o primeiro episódio. E, mesmo sem acompanhar a série, continuo a saber praticamente tudo o que acontece porque as pessoas insistem em partilhar com o mundo aquilo que meio mundo vê.
Conclusão: o fanatismo desenfreado faz-me perder todo e qualquer interesse.

26.04.2016, terças com sabor a segunda

Há que adorar estas semanas que começam à terça-feira. Ainda mais quando vêm com o sol (finalmente!). Nem sequer sinto aquela irritabilidade típica da segunda-feira...
Apesar de ter sido um fim de semana (prolongado) de sol, perfeito para 1001 actividades ao ar livre, acabei por não o aproveitar muito nessa vertente. No sábado à tarde fui comer um gelado à beira mar, para receber o convite de casamento do BFF (so sweet!) e, de resto, fiquei por casa. Aproveitei para preparar a roupa de verão para o bom tempo que parece finalmente ter chegado e para organizar umas coisas por casa, qual dona de casa desesperada.
Se há arrumação doméstica que não me custa fazer, é trocar a roupa de inverno pela de verão! :D

22.04.2016, fanatismo post mortem

Como é de esperar, hoje meio mundo fala do Prince e partilha músicas dele.
“De repente, todos passaram a ser fãs nº 1 do Prince.”
Se, por um lado, acho um pouco absurda esta súbita adoração por um artista quando ele morre, por outro, acho natural que assim o seja. Eu, pelo menos, não ouço sempre a mesma música todos os dias. Gosto de muitas bandas mas, como é óbvio, não passo os meus dias a idolatrar os artistas que admiro. O mesmo se aplica a actores, escritores… Se alguém que idolatro morre, não é assim tão estranho que fale disso e que partilhe algo sobre isso. E isso não significa que só me lembre dessa pessoa porque morreu.
Mas depois temos o outro lado da moeda… Pessoas que correm a comprar todos os álbuns/livros/filmes e mais alguns (como se nunca mais fossem ter acesso aos trabalhos dessa pessoa), que partilham 1001 vídeos e artigos e que escrevem textos muito sentidos (que terão sido escritos enquanto acabavam com mais uma caixa de Kleenex)… Deste grupo de pessoas, acredito q…

21.04.2016, já não tenho idade para isto

Jantares de aniversário a meio da semana, que terminam a altas horas da madrugada. Vir trabalhar com 4 horas de sono.
Assim, nem consigo pensar decentemente.
Pior: hoje ainda é quinta-feira, o que significa que logo não me vou poder deitar a pensar que posso recuperar todo o sono perdido.

20.04.2016, a fauna dos ginásios #2

Já tinha falado por aqui sobre dois tipos de espécimes que se passeiam por entre as máquinas e os pesos, quais pavões em ritual de acasalamento. Hoje venho acrescentar mais uma categoria:
As popozudas assanhadas Têm um comportamento semelhante aos homens triângulo invertido, no que diz respeito ao exibicionismo. Usam roupas que não passam despercebidas a ninguém, não apenas pelo reduzido tamanho, mas também pelas cores néon e mistura de padrões 90's. Também passam grande parte do tempo a desfilar, numa proporção de 5 minutos de exercício para 10 de descanso. São muito altruístas e fazem sempre por inflamar o ego do saradão mais próximo, passando a mão no pêlo sempre que podem.

Este post foi escrito no seguimento da visualização de um espécime desta categoria que foi treinar de vestido. Sim, vestido. Aliás, para mim, aquilo seria uma tshirt comprida, mas ela estava a usar como vestido. E não, não tinha micro calções por baixo, o "vestido" tapava pouco mais que o rabo e da…

19.04.2016, são escolhas

Hoje o tema de conversa acabou nas depilações. Já nem sei como lá chegamos, apenas que acabamos a falar de depilação. Ora, um colega sai-se com a seguinte afirmação:
Parece que anda aí uma tendência, principalmente entre as raparigas mais novas, para andarem ao natural, sem depilação alguma. Parece que voltámos aos anos 70.
Eu não ando muito atenta a isso, mas por acaso não tinha reparado nessa tendência. A outra mulher que se encontrava presente disse que também já tinha reparado nisso.
Tal como depois acabamos por concluir, a depilação deixou de ser uma imposição da sociedade. Por muito que alguns digam que nunca o foi, eu bem me lembro de começar a pensar na depilação (ainda na adolescência) porque toda a gente sabia que “as mulheres não devem andar com pêlos grandes, isso é coisa de homens”. Óbvio que nunca me obrigaram a fazer a depilação, mas crescíamos com aquela ideia pré-concebida de que seria algo a tratar. Por muito sofrimento que me possa ter causado (maldita cera!), há…

18.04.2016, dos bons momentos

Há dias fui jantar com um grupo de colegas do trabalho. Normalmente, tomamos o café juntos depois de almoçar, e são uns minutos bem passados. Com a desculpa do aniversário de um deles ter sido durante a semana passada, combinamos um jantar para descontrair.
Durante todo o jantar rimos muito, dissemos muitos disparates e já há um bom tempo que não me divertia assim. Sem pensar em mais nada. Foram umas horas que souberam mesmo bem, apesar de sabermos que no dia seguinte iria custar a acordar.
O restaurante também foi bem escolhido e até os empregados soltaram gargalhadas connosco. É um bom grupinho, que vai custar deixar daqui a menos de 3 meses.

14.04.2016, one of those days

Normalmente consigo manter a mente ocupada e consigo ficar quase indiferente a certas coisas. Depois tenho dias em que não consigo. Dias em que aquilo que eu tento que me seja indiferente, me volta (ou continua) a magoar demasiado.
Não percebo qual é o prazer que algumas pessoas retiram disso. Fazem questão de magoar os outros e mostram que gostam de o fazer. Será que precisam disso para se sentirem bem com elas próprias? Não consigo mesmo entender.
Já várias vezes disse que adorava ser a maior cabra insensível à face da terra. Assim sabia que ninguém me magoaria, porque eu simplesmente não iria querer saber. O problema de nos importarmos com alguém, é que muito facilmente podemos sair magoados. E, com a minha sorte, é precisamente isso que acontece.

13.04.2016, só me dificultam a vida

Tenho um plano alimentar que devo quero seguir. Estou numa fase de reeducação alimentar. Continuo a comer de tudo um pouco, apenas mudei alguns hábitos. Ao fim de semana, por vezes, como coisas menos saudáveis, mas não abuso.
Ora, na minha família parece que têm medo que as pessoas passem fome. Sempre foi assim, desde que me lembro. Comemos aquilo que queremos comer, mas para eles parece que nunca é suficiente.
"Não queres mais?" "Come este pedaço que sobrou. Não vai ficar aqui!" "Queres pão? Queres isto? Queres aquilo?"
Vocês nem imaginam como eu fico com um nervoso miudinho, de ouvir isto TODOS OS DIAS.
Normalmente, ao jantar como só uma sopa e um pouco de carne ou peixe. Já há uns meses que o meu jantar anda à volta disto. Mas parece que ainda não perceberam que não vou comer massa ou arroz ou outra coisa qualquer que prepararam para jantar. E se há coisa que me tira do sério e que me cansa, é estar sempre a repetir o mesmo. Depois é claro que fico co…

12.04.2016, das melhores invenções de sempre

Depilação a laser.
Para mim, sempre foi um sofrimento fazer depilação a cera. Aquela história de que "com o tempo não dói tanto" é tudo BALELAS. Sim, comigo o sofrimento foi sempre igual. Anos e anos de martírio. Por isso decidi investir mais algum dinheiro e fazer depilação a laser. Não dói (há dias em quem "escalda" um bocadinho, mas nada de mais), notam-se os efeitos logo a partir da primeira sessão e, só de pensar que daqui a algum tempo vou estar livre de pêlos, até dou pulinhos de alegria!

11.04.2016, coisas que me deixam com os nervos em franja #2

Se há algo que me tira do sério, é a atitude de “eu tenho todos os direitos e mais alguns porque pertenço à 3ª idade” que certas pessoas têm.
Por exemplo, pensarem que os lugares reservados para grávidas, deficientes e pessoas com crianças ao colo, também estão reservados para eles. Se não estiver ninguém que se insira num daqueles grupos, tudo bem. Nem eu me importo de ceder o meu lugar (não prioritário), pelo contrário. Mas já assisti (mais que uma vez) a situações em que entravam mulheres com bebés ao colo ou grávidas, e essas pessoas não tinham a decência de ceder o lugar. E acreditem que, nesses casos, não era pessoas que se encontravam fragilizadas e que teriam alguma dificuldade em se manterem de pé. Eram pessoas que tinham bastante genica, porém com pouco ou nenhum respeito pelos outros.
Há dias, vi um casal de idosos a estacionar o carro num lugar reservado a deficientes. O único lugar que existe numa rua onde costuma ser difícil estacionar. E fizeram questão de estacionar o…

09.04.2016, sofrer por antecipação

No final de Junho termino o meu estágio profissional e já sei que não será para dar continuidade. Foi algo que me foi esclarecido logo na entrevista. Mesmo assim, disse que manteria o interesse no lugar. Na altura, estava numa outra empresa (à espera, também, da aprovação para estágio profissional) mas sem qualquer tipo de vinculação. Quando me surgiu esta oportunidade nem pensei duas vezes. Na outra empresa só aprendia tudo aquilo que não devemos fazer e já estava lá há tempo suficiente para saber que, no final do estágio, viria embora. Aqui tenho a oportunidade de aprender e ganhar experiência em várias frentes e da forma correcta. Gosto imenso desta empresa e dos colegas. Às vezes ainda me questiono como consegui este lugar. Depois de tantos "nãos", acabamos por nos surpreender com um "sim".
Como faltam menos de 3 meses para ir embora, já começo a pensar no que virá a seguir. E o meu maior receio é voltar a ficar desempregada durante muito tempo. Primeiro, porq…

08.04.2016, feia para sempre

Já falei por aqui sobre o meu medo de abelhas. Quero distância destas criaturas demoníacas. Ora, qual o meu espanto quando leio uma notícia sobre o novo método de beleza da Gwyneth Paltrow: apiterapia. E em que consiste a apiterapia? PICADAS DE ABELHAS! Sim, ser picada por abelhas para ficar bela e maravilhosa. No, thanks.
Pelo que li, numa breve pesquisa sobre o tema, os benefícios deste tipo de "tratamento" advêm da apitoxina, o veneno presente no ferrão das abelhas. Dizem que esta terapia permite, também, aliviar dores crónicas e estimula o sistema imunitário (para além de tornar a Gwynethzinha ainda mais bela!).
Para mim, a apiterapia entra directamente para a categoria de tratamentos creepy (que acabei de criar), juntamente com a hirudoterapia (a das sanguessugas).
Deixem lá as bichezas no seu habitat natural, vá.

07.04.2016, das séries

Imagem
Um dos meus vícios: séries. Gosto de todo o tipo, desde que sejam capazes de me prender. Actualmente, não estou a seguir muitas, porque tive que optar entre elas e o meu sono. Tenho umas quantas em stand by e outras à espera para começar. Vou vendo as que estão a passar na tv e, mesmo assim, há alturas em que dou por mim com dezenas de episódios acumulados.
A última que comecei a ver foi Mad Dogs (US). É uma mini série, com 10 episódios, que aparentemente é um remake de uma série britânica com o mesmo nome (que eu nunca vi, nem conhecia).

Esta série conta as peripécias de quatro velhos amigos, que vão ter com o quinto elemento do grupo até Belize (América Central).
Ainda só vou no 5º episódio e tenho-vos a dizer que tudo lhes acontece! Quando pensamos que, finalmente, se vão livrar de um problema, as coisas ainda conseguem piorar.
Se estiverem à procura de uma série "levezinha", aconselho-vos esta. Vê-se muito bem e é óptima para descontrair.

06.04.2016, só o corpo está aqui

Imagem
Trabalho virada para o parque da cidade e, sempre que olho pela janela, vejo várias pessoas a correr ou simplesmente a passear e aproveitar o dia. Nestes dias solarengos, só tenho vontade de pegar em tudo e ir para lá. Infelizmente, transportar computadores parece-me ser uma logística complicada.
Mas vou ver as coisas pelo lado positivo: está um dia lindo de Primavera! (vamos esquecer o triste pormenor de que a chuva regressa no fim de semana)
Se vocês puderem, saiam e aproveitem para apanhar um bocadinho de sol e respirar um pouco de ar puro ;)
Eu vou continuar por aqui... enquanto o meu pensamento anda lá por fora.

05.04.2016, ontem foi noite de cinema

Imagem
Ontem aproveitei um convite para ir à antestreia de Hardcore Henry e tenho-vos a dizer que, pela primeira vez, considerei a hipótese de sair da sala de cinema a meio do filme.


Resumindo (sem spoilers), o filme é passado em Moscovo e sempre visto pelos olhos do protagonista, Henry (se o conceito até parece ser interessante, na prática aquilo é algo capaz de nos deixar zonzos e, por momentos, perdidos sem ter a noção do espaço). Henry ressuscita do mundo dos mortos, graças à sua mulher que o transformou numa espécie de cyborg. Contudo, ele não tem qualquer tipo de memória, nem consegue falar. Numa questão de minutos, ele passa a ser o alvo a abater por parte do vilão, Akan. E, basicamente, o filme é sempre isto: está sempre a fugir porque em todo o lado está alguém, a mando do Akan, que o quer matar. No final, é revelada uma história diferente da inicial, mas nem isso salva o filme, na minha opinião.
O filme foi dirigido e escrito por Ilya Naishuller, russo, e se eu tivesse pensado mel…

04.04.2016, as figuras que fazemos ao tentar ser fit

Imagem
No passado sábado, fui fazer a minha reavaliação física e definir um novo plano de treinos. Da reavaliação, só retive uma coisa: os centímetros perdidos. A nível de peso, a diferença não foi muito substancial, apesar de ter perdido uns bons centímetros no perímetro abdominal (yey!). O nutricionista disse que não é algo estranho, visto que a massa muscular pesa mais que a massa gorda. Portanto, vou-me focar só nisso! :D
Depois, fui ter com o PT para ele fazer um novo plano de treinos. Ora, se o primeiro plano tinha sido soft (tinha?) porque já não praticava exercício regular há algum tempo, este é para dar cabo de mim. E ainda só treinei uma vez. Vocês nem imaginam como estou... Treinei no sábado de manhã e, apesar de me sentir um pouco dorida, andei bem durante o resto do dia. Ontem andei a passear de um lado para o outro mas andava bem, mesmo com alguns músculos a darem sinais de vida. Hoje... Hoje pareço uma tolinha a tentar caminhar. Principalmente depois de estar algum tempo sent…

01.04.2016, quem nunca mentiu que diga a primeira mentira

Todos nós já mentimos. Acho que é algo inato à espécie humana. Começamos quando ainda somos umas crianças inocentes (ou talvez não), e ao longo da vida vão saindo algumas mentirinhas. É claro que há quem eleve isto a um profissionalismo tal, que debita mentiras de tal calibre que me leva a questionar se serão munidos de consciência.
Acabo por me lembrar sempre de um filme que vi há uns anos, cuja história anda à volta da mentira: The Invention of Lying. Não é um filme extraordinário, mas leva-nos a ver a mentira com outros olhos. Basicamente, começa por retratar um mundo onde só existe a verdade e ninguém mente, até que um homem inventa a primeira mentira e muda tudo. É um bom filme para uma tarde de domingo, se tiverem curiosidade em ver.
Tentem imaginar como seria um mundo sem mentiras...