28.09.2016, uma vida a acumular

Nos últimos tempos, tenho andado em arrumações sérias por casa.

Comecei pela roupa. Não sei se vocês também são assim, mas tinha ali umas caixinhas com roupa que já não vestia há bastante tempo porque "agora não serve mas pode ser que um dia volte a ficar bem" ou "já não é muito o meu estilo mas está praticamente nova e pode ser que eu volte a usar isto". Todos os anos dou uma volta à roupa, mas mantenho mais do que aquilo de que me desfaço. Desta vez foi diferente: só fica o que realmente uso! Meus amigos, foram sacos e sacos de roupa! Mais precisamente: 15 sacos! Como não tenho contacto nem conheço ninguém que necessite e possa aproveitar a roupa, levei os sacos para aqueles contentores onde depois distribuem por associações a roupa que ainda estiver em condições.

Há uns tempos, já tinha feito o mesmo com malas e calçado. Mas a roupa foi escapando sempre.

Eu sou daquelas mulheres que sofre de um mal crónico: nunca tenho roupa suficiente. Comparativamente com algumas amigas minhas, eu realmente não tenho muita roupa. Mas, se parar uns segundinhos para pensar, tenho roupa mais que suficiente para o dia a dia. Se gostaria de ter mais roupita? Claro que sim. Se tenho MESMO necessidade disso? Não.

Aquilo que tenho tentado fazer é pensar muito bem antes de comprar algo e estabelecer prioridades. Vi um vestido que adorei, mas também vi um casaco que me dava um jeitaço... Posso comprar os dois? Não. Qual compro? Qual realmente me faz falta e irá ser mais útil?

É claro que, se tivesse uma conta bancária bem recheada, provavelmente não perdia tanto tempo com estas decisões. Gosto dos dois? Levo os dois! Mas a verdade é que agora penso muito mais antes de comprar uma peça de roupa. Não apenas porque os gastos têm de ser controlados, mas porque me custa imenso ter roupa que praticamente não foi usada. Daí que também me tento desligar das tendências. Muitas vezes nem sequer gosto das tendências ditadas pela indústria da moda, mas há alturas em que adoro tudo! Mas será que vou continuar a adorar no ano seguinte? Pois, talvez não.

Actualmente, aposto mais em peças básicas, que permitam o maior número possível de conjugações. Evito estampados, principalmente aqueles que sejam a tendência do momento. Tenho feito isso no último ano e a verdade é que são essas as peças que mais uso. Também ainda tenho algumas que não entram nestes critérios e que continuo a gostar e a usar, mas não uso tantas vezes porque fico com a sensação de que cansa ver aquela peça muitas vezes.


Percam uns minutos a fazer uma reflexão:

Se vocês decidissem sair do país e não pudessem levar tudo atrás (que nunca conseguem levar), o que levariam?
É isso que devem manter.

Comentários

  1. Normalmente só compro mesmo aquilo que me faz falta :)
    Olha acho que levaria o essencial para o dia a dia :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pior é quando o "essencial" continua a ser muito :p

      Eliminar
  2. Só para apontar que eu nem sequer tenho 15 sacos de roupa. :'D Quando me queixo disso, queixo-me com razão, infelizmente. So sad!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh mas eram daqueles sacos mais pequenos, não eram assim tããão grandes :'D
      E a maioria era mesmo da tal roupa que estava para aqui guardada e não era usada há anos. O pior é que ainda há umas peças-chave que me fazem falta :p

      Eliminar
  3. Ainda na semana passada estive a fazer uma limpeza ao armário e parece que tirei toneladas de roupa, no entanto, olho para o armário e ainda estão lá mais umas quantas toneladas. Eu já nem me lembro de comprar roupa sinceramente, isto anda tão mau financeiramente que temos que nos desenrascar com o que há. No meu caso, vou ficando com roupa que deixa de servir à minha mãe e só tem umas poucas utilizações xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu ia fazendo limpezas dessas, de vez em quando, mas desta vez perdi a pena e livrei-me mesmo daquelas peças que me custava dar :)

      Eliminar
  4. Adorei o teu post, sobretudo os dois últimos parágrafos!
    Também tenho tentado ser mais minimalista...não apenas pelo aspecto económico, mas sobretudo pelo desapego aos bens materiais...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu bem que gostava de me desapegar dos bens materiais, mas há coisas que é difícil: roupas e livros. Custa-me imenso.

      Eliminar
  5. Quinze sacos? QUINZE?! Já vi ciganos com menos material para vender na feira de Espinho :P
    Tu querias ter mais roupita e se calhar existe quem queira que tenhas menos roupita. Nunca há consenso nestas coisas :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quinze sacos dos pequenos, vá. Não andei a encher sacos de 50 L com roupa :p

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O língua alemã e as suas declinações

A minha carteira até chora

19.09.2016, poderia ter sido dito por mim