29.03.2016, as 1001 voltas de Camões na tumba

Todos nós podemos errar, até aqueles que lêem e escrevem bastante, mas há erros que (na minha opinião) são absurdos. Fico espantada quando vejo que os autores destes erros enchem o peito para dizerem que estão na universidade e que estudam muito (devem ter saltado muitas aulas de português, parece-me). E fico ainda mais parva quando vejo professores a darem erros básicos de português. São erros tão absurdos, que me chegam a provocar um nervoso miudinho.


Os mais famosos:

- escrever "à", em vez de "há"

- colocar hífen onde ele não existe: "perde-mos", em vez de "perdemos", por exemplo

- redundâncias: "há 2 meses atrás", há 2 meses à frente era mais complicado...

- "senão" em vez de "se não", e vice-versa. Por exemplo: "vê senão partes alguma coisa" (até me começou a tremer o olho, ao escrever isto)

- acrescentar letras: "aonde", "assentar" (este já é em casos extremos)

- trocar o "traz" com "trás"

- "vêm" em vez de "vêem"


Entre muitos outros, que todos os dias vejo um novo.

Eu também erro, umas vezes por distracção, outras por pura parvoíce, mas tento aprender com esses erros para não os voltar a cometer. O que vejo muitas vezes é que falta um pouco de humildade a algumas pessoas que cometem estes erros. Irónico é vê-las a corrigir os outros, com aquela atitude de "eu sou mais inteligente e culto(a) que tu" e depois cometem erros ridículos de português.

Eu confesso que, com o novo acordo ortográfico, às vezes chego a ficar na dúvida sobre como se escreve alguma palavra. O que é que faço nessas alturas? Google! Tira logo a dúvida. (Quem nunca?)

Penso que se tem descurado demasiado no ensino do português. Eu sei que se desse estes erros na escola, levava um puxão de orelhas (metafórico) na hora! Agora fico com a sensação de que os professores deixam passar todos os erros e mais alguns. É a nossa língua. Pelo menos nisto façam algum esforço para serem bons!

E sintam-se à vontade para me corrigir, sempre que necessário! ;)

Comentários

  1. Bem, logo na primeira parte do texto fiquei com dúvidas se não teria sido eu a escrevê-lo. ahahah
    É tão irritante as pessoas meterem as qualificações académicas na barra lateral e a seguir desatarem a escrever barbaridades, que esse é um dos motivos que me leva a deixar a leitura a meio e nunca mais lá voltar.
    O resto, são exemplos que tenho dado tantas vezes, que acabei por desistir. Fartei-me de bater no ceguinho.
    É óbvio que ninguém pode saber tudo. A minha filha é prof de português/inglês (pela FLUL) e confessa ter imensas dúvidas. Mas é para isso que existem os "books". É como naquele concurso da RTP: na dúvida, peçam ajuda.
    Eu tenho um atalho de teclado para o dicionário online "Priberam". É muito completo e dá para configurar para antes ou depois do AO.
    Enfim (não "em fim", como se vê escrito por aí eheheh), vejo coisas escritas por licenciados e "mestres" (porque isto agora, quem não tiver um mestrado é um Zé-Ninguém lol), que nas maõs da minha prof da primária, dava direito a uma dúzia de reguadas e ficar o resto do dia à janela, com orelhas de burro. eheheh
    Outra cena que me mete raiva, é que quem cria um blog, supostamente gosta de escrever e quem gosta de escrever tem mais é obrigação de escrever bem e ter brio em aprender e tirar dúvidas.

    ResponderEliminar
  2. São todas igualmente assustadoras. Mas olha, eu sempre fui uma boa aluna a português e por vezes sai-me "à" quando deveria ser um "há", apesar de conhecer perfeitamente a diferença. Normalmente corrijo a tempo, mas se me escapa e depois reparo fico super envergonhada.

    ResponderEliminar
  3. Sou completamente assim. Talvez ainda pior, sou uma verdadeira e insuportável nazi da gramática, tenho de fazer por me controlar!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

1 mês depois...

F*ck what they say

O língua alemã e as suas declinações