12.03.2016, emoções à flor da pele

Eu sempre tive a capacidade de conseguir esconder aquilo que sinto, algo que tem tanto de bom como de mau. Se, por um lado, faz com que não me sinta tão exposta, por outro, leva a que muitas pessoas pensem que podem fazer e dizer tudo o que quiserem sem que eu me importe. Um dos problemas é que, apesar de não guardar qualquer tipo de rancor, eu não consigo esquecer algo que me magoou ou que abalou a minha confiança. Outro problema é a consequência de guardar tudo para mim: chego a um ponto em que fico cheia e sou capaz de disparar em todas as direcções. Acho que estou nesse ponto, já há bastante tempo. Por vezes, irrito-me com tanta facilidade que acabo por chegar ao ponto de preferir que ninguém fale comigo. Muitas vezes (quase sempre), se fico um pouco mais nervosa dou por mim logo a chorar. Há uns meses, cheguei a ter leves crises de ansiedade (que demorei a descobrir o que eram, e só acreditei quando ouvi da boca de um médico). Conclusão, aquela história de esconder aquilo que sinto já não se verifica. Se estou em baixo, qualquer pessoa nota. Se estou chateada, é visível a milhas. Se estou mais sensível, oh well isso é todos os dias. E isto assusta-me um bocadinho. Não considero que seja algo normal e não me sinto bem assim. Tento abstrair-me e relaxar, mas continua a ser difícil. O ideal seria ter um interruptor para, de vez em quando, fazer shut down ao cérebro...

Comentários

  1. Eu também já fui assim durante muito tempo...e só me fez mal. Hoje em dia, já consigo manifestar os meus sentimentos e as minhas emoções com mais facilidade, de forma natural, e isso é bom pois sentimo-nos mais leves!

    ResponderEliminar
  2. Sei bem o que é chegar a esse ponto. Aliás, ultrapassa-lo ao ponto de ter de pedir ajuda profissional (mas isto é segredo eheh :p).

    Nada dura para sempre e fases vêm e vão. Animo:)

    ResponderEliminar
  3. Aqui faz-se terapia precisamente pata aprender a lidar com todos os sentimentos!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O língua alemã e as suas declinações

F*ck what they say

A minha carteira até chora