08.03.2016, ponto de situação

Há 10 anos imaginei que, por esta altura, teria uma vida bastante diferente da que tenho. Por um lado, sinto que pouco ou nada mudou nestes últimos anos, por outro, vejo que muitas coisas aconteceram e outras quantas mudaram. Mas nada que eu sinta como muito relevante, apesar de até o ser.

Resumindo, nos últimos 10 anos:
- entrei para a faculdade
- terminei a licenciatura
- fiz uma pós-graduação
- fiz duas formações (essenciais, para poder trabalhar)
- comecei a aprender uma nova língua
- tirei a carta de condução
- comprei o meu primeiro carro
- fiz novos amigos
- afastei-me de outros amigos (vicissitudes da vida, ou não)
- desesperei por não conseguir trabalho
- passei por alguns trabalhos a part-time
- finalmente, consegui arranjar um trabalho na minha área de formação
- ao fim de 6 meses, fui seleccionada para um lugar noutra empresa e mudei para melhor
- conheci novos sítios
- apaixonei-me e sofri
- andei, pela primeira vez, de avião

Visto assim, parecem 10 anos animados, mas não os consigo sentir como tal.

Daqui a uns meses, infelizmente, voltarão a haver mudanças. E penso (espero!) que, desta vez, sejam as mudanças que preciso. Ir para outro país tornou-se, oficialmente (para mim, que ainda não partilhei com as pessoas mais próximas), um objectivo. Sei que não será fácil, mas sinto que é isso que preciso. Sinto que preciso de me afastar para começar a viver a 100%. So... wish me luck!

Comentários

  1. É essa a mudança que eu sinto que preciso também. Sair do país ou sair, simplesmente, da minha zona... parece que qualquer outro sítio era melhor do que agora, mas a verdade é que o problema está em mim e não propriamente no sítio.

    Boa sorte para nós! :|

    ResponderEliminar
  2. Se eu me atrevesse a fazer uma retrospectiva dos meus últimos 10 anos, faria um post enooooooooooooooooooorme!!

    ResponderEliminar
  3. Quando não nos sentimos bem com o nosso interior (digo isto baseada no post mais recente), não há sitio no mundo, pessoa ou o que quer que seja que vá mudar isso. Quando isso acontece, temos de olhar para o que há de errado connosco, mudar isso e aí sim, poderemos separar aquilo que nos faz bem do que nos faz mal e tomar decisões de cabeça limpa. É como aquela frase feita (que vale o que vale): "Não faça promessas quando estiver feliz, não responda quando estiver irritado, não tome decisões quando estiver triste." Mas claro, falar é sempre muito fácil. :)

    Independentemente de tudo, muito boa sorte para o futuro :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O língua alemã e as suas declinações

F*ck what they say

A minha carteira até chora